Raphael Dabdab avalia a primeira fase da temporada para o segmento de gastronomia em Santa Catarina

Por: Redação | Data: 17/01/2017 16:44:00

Raphael Dabdab (Abrasel/SC) avalia a temporada e os desafios para 2017. (foto: divulgação)

 

O primeiro entrevistado do ano aqui no Portal TradeTur é o presidente da Abrasel/Santa Catarina, Raphael Dabdab. Ele é empresário no segmento de gastronomia, sócio gestor dos Restaurantes Guacamole Cocina Mexicana, Didge Steakhouse Pup e dos Food Trucks Guacamole e Didge de Florianópolis, possuindo mais de 15 anos de experiência em cargos executivos de empresas nacionais e multinacionais, sendo responsável pelas áreas de Supply Chain e Comercial. Dabdab lecionou a disciplina de Logística na graduação em Administração de Empresas das Faculdades Decisão e Borges de Mendonça, em Florianópolis. É graduado em Administração de Empresas, especialista em Administração da Produção e Mestre em Logística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Nesta entrevista, revela certa decepção do segmento com a primeira e, historicamente, mais forte etapa da temporada de verão. No entanto, mantém o otimismo para o restante da estação 

no litoral de Santa Catarina. Este e outros temas você acompanha aqui, com exclusividade, no Portal TradeTur.

 

TradeTur - Como a Abrasel/SC avalia a primeira fase da temporada de verão, compreendida pelo período de festas de fim de ano, no litoral?

Havia a expectativa alardeada pelo governo estadual e Prefeitura de Florianópolis de um maior número de turistas em Santa Catarina nesta temporada, no entanto, os proprietários de bares e restaurantes do litoral ficaram frustrados com o movimento entre Natal e Réveillon no último ano. Pesquisa de satisfação realizada pela Abrasel, em parceria com o Instituto Federal de Santa Catarina, apontou, no consolidado estadual, queda no número de clientes para 72,2% dos entrevistados – destaque para Florianópolis (84,1%), litoral norte (80%) e litoral sul (76,5%). Não atribuímos os números somente à crise econômica, pois o calendário também não ajudou. As datas festivas caíram nos fins de semana e o clima foi mais propício para refeições em casa ou na praia. Em Florianópolis, o anúncio de que não teríamos Réveillon na Beira-mar e a falta de definição sobre o funcionamento dos beach clubs de Jurerê também contribuíram para este resultado. Por outro lado, a expectativa de melhora até o fim da temporada é alta: 43,3% dos empresários ouvidos avaliam que o verão fechará melhor do que o último. Em Florianópolis, esta é a previsão para 59,1% dos empreendedores.

 

TradeTur - O padrão de consumo do turista vem mudando? Como está o ticket-médio desta temporada em relação às anteriores?

O gasto médio no início desta temporada ficou abaixo do verão passado no mesmo período para 49% dos entrevistados da pesquisa de satisfação Abrasel. Na Capital, tiveram essa percepção 56,8% dos consultados. Na região norte, o percentual ficou em 40% e no sul do estado, em 35,3%. Um dos grandes motivos para este resultado, além da crise, foi a queda no número de turistas paulistas, de maior poder aquisitivo.

 

TradeTur - Questões importantes como a qualidade da mão-de-obra estão equacionadas em Santa Catarina? Pode-se afirmar que o padrão dos serviços no segmento de A&B atingiram o nível de excelência?

O segmento de bares e restaurantes em Santa Catarina oferece a mesma qualidade dos melhores destinos turísticos do país. Capacitamos constantemente nossos colaboradores para que os serviços oferecidos mantenham o padrão. Todos os anos oferecemos cursos realizados em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) para diversas atividades, desde o atendimento direto ao consumidor, passando pela cozinha, até a gestão de empresas.

 

TradeTur - Em relação ao preço praticado nos restaurantes durante a temporada é comum certo ruído por parte de turistas e, principalmente, da clientela local. Não raro, ouve-se comparações com restaurantes similares localizados em destinos internacionais como Miami, Lisboa ou Cartagena onde os preços estariam mais em conta, apesar da moeda (cotação). O que o senhor pensa disso?

Em Santa Catarina, precisamos destacar a influência dos altos custos operacionais do setor. Matérias-primas, mão de obra e aluguéis, por exemplo, estão entre o mais altos do Brasil. Isso compromete nossa competitividade. O preço dos imóveis em Florianópolis é outro fator que leva ao acréscimo no preço final. Grande parte dos restaurantes funciona em estruturas alugadas e precisa arcar mensalmente com este valor. Outras questões que interferem neste desempenho são os insumos, que continuam caros, além da alta carga tributária. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) que o setor paga em Santa Catarina está entre os mais elevados do país após o fim do regime especial que existia até 2015. Naquele ano, o governo catarinense retirou o benefício do ICMS dos restaurantes de 3,2% sobre a venda bruta e passou para 7%, um aumento de 135%.

 

TradeTur - Em temporadas anteriores foi comum a reclamação do segmento com falhas no fornecimento de água e energia por parte das concessionárias estatais. Como está nesta temporada?

O fornecimento de água e luz na capital catarinense é bem mais eficiente nesta temporada, em relação ao último ano. Tivemos algumas quedas de energia pontuais, mas, de modo geral, a situação é muito diferente. Pelo que temos observado, em todo o setor, o investimento de R$ 500 milhões em estrutura para o sistema de água anunciado no último ano pela Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), e de R$ 300 milhões no sistema de luz, anunciados pelas Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc), surtiram efeito.

 

TradeTur - Quais as expectativas da Abrasel/SC em relação à mudança de governo nos municípios turísticos como Florianópolis e Balneário Camboriú?

A Abrasel SC confia nas administrações de Fabrício Oliveira (PSB), que assumiu em Balneário Camboriú, e Gean Loureiro (PMDB), novo prefeito de Florianópolis. Nossa entidade apoia o trabalho dos gestores destes municípios e se coloca como parceira para alavancar o turismo e o desenvolvimento de Santa Catarina.  Sabemos que são profissionais qualificados e torcemos para que tenham sucesso. Estamos à disposição para as conversas necessárias, em todas as áreas.

 

TradeTur - E como o senhor projeta o cenário econômico e político para o setor em 2017? 

Confiamos que o governo tomará as medidas necessárias para a retomada do crescimento econômico neste ano. O momento é de cautela e união entre entidades e empresários do país, para que possamos superar as dificuldades. Temos confiança também de que a proposta de reforma trabalhista apresentada em dezembro e que deve ser enviada ao Congresso no próximo mês ajude a tornar o Brasil menos custoso e mais produtivo, por meio da modernização das leis trabalhistas e flexibilização de uma série de regras. Se aprovada a jornada intermitente, por exemplo, antiga reivindicação dos empreendedores brasileiros, pode reduzir o desemprego e ajudar a antecipar o crescimento da economia.