445 mil brasileiros embarcaram em cruzeiros marítimos em 2017

Por: Redação | Data: 20/04/2018 09:03:00

Porto Belo (SC) é um dos principais destinos para cruzeiros no Brasil. (Foto: Reprodução Internet)

 

Dados da CLIA-Brasil também revelam que apesar do cruzeirista no Brasil ter grande preferência pelo Caribe, uma parcela de viajantes embarcou para o Alaska e África do Sul no ano passado

 

A unidade brasileira da Cruise Lines International Association (CLIA-Brasil) fechou um relatório que analisa o perfil de cruzeiristas no Brasil. De acordo com a entidade, 445 mil brasileiros embarcaram em navios de cruzeiros em 2017. Apesar do número ser 4,2% menor em relação a 2016, a entidade avalia que o setor navegou em linha com a reação da economia nacional. "Seguindo o crescimento econômico do Brasil, tivemos um primeiro trimestre de 2017 fraco (230 mil cruzeiristas) com queda de 28% em relação a 2016 (318 mil). A partir do segundo trimestre, com a economia brasileira também avançando, já tivemos um aumento de 26% (69 mil cruzeiristas) e no terceiro crescemos 17% (35 mil). No quarto trimestre os números realmente mostram um forte resultado, aumento de 79% (111 mil) em relação ao ano anterior", explica Marco Ferraz, presidente da CLIA-Brasil.

"O fato do total de passageiros de 2017 ser apenas 4,2% inferior em relação a 2016 reflete um quadro estável, porém o crescimento expressivo do quarto trimestre nos dá uma grande expectativa para 2018", completa Ferraz, amparado também pela oferta de 430 mil leitos da temporada 2017/2018, com fechamento agora em abril, considerando apenas os destinos brasileiros. A previsão para o próximo período 2018/2019, com início em novembro desse ano, prevê um aumento de 13% apenas nos itinerários nacionais.

Outra análise que traz o relatório é em relação aos destinos mais procurados pelos brasileiros em 2017. No ano passado, 105 mil viajantes saíram do país a bordo de um cruzeiro com destino ao Caribe (aumento de 4,4% - 2016), mas os destinos mais procurados foram Panamá e América do Sul, com 278 mil passageiros. "Podemos observar também uma procura relevante por cruzeiristas brasileiros por águas europeias, considerando o Mediterrâneo, Países Bálticos, Ilhas Canárias e norte europeu", destaca Ferraz. Somados esses destinos do velho continente receberam 39 mil turistas brasileiros no ano passado.

O estudo mostra ainda uma mudança no comportamento do brasileiro em busca de novidades quando o assunto são destinos de cruzeiros. Pela primeira vez no período 2016 e 2017 foi percebido uma procura pelo Alaska e pela África do Sul, com quatro mil cruzeiristas.

Ainda no mesmo documento, é possível afirmar também que apesar da idade média de viajantes (44 anos) ter ficado estável, houve um crescimento na taxa que mede o número de dias a bordo de um navio, de 6,8 para 6,9 dias. "Isso mostra que o mercado de cruzeiros no Brasil amadureceu em termos de público frequente, que busca itinerários mais longos", afirma Marco Ferraz. Também é evidente que roteiros de menos de 13 dias são mais requisitados por cruzeiristas de menos de 48 anos e pacotes acima de 14 dias são procurados por viajantes com mais de 56 anos.

Sobre a CLIA BRASIL

A CLIA BRASIL é a voz unificada e principal autoridade da comunidade global de Cruzeiros Marítimos. Como a maior Associação da indústria de cruzeiros, possui 15 escritórios no mundo todo, com representação nas Américas do Norte e do Sul, Europa, Ásia e Austrália.

A missão da CLIA é apoiar políticas e práticas que promovam um ambiente seguro, saudável e sustentável nos navios de Cruzeiros para os mais de 23 milhões de passageiros que viajam anualmente, bem como promover a experiência de viagem dos cruzeiros.

Seus membros, comprometidos com o continuado sucesso da indústria de cruzeiros, estão compreendidos entre as linhas mais prestigiadas do mundo em Cruzeiros Marítimos, Fluviais e de Especialidades; uma comunidade de agentes de viagens altamente treinados e certificados; e outros parceiros da indústria de cruzeiros, incluindo portos, destinos, desenvolvedores de navios, fornecedores, prestadores de serviços e operadores de viagens.

Deixe seu comentário

Comentários