O turismo e as emissões de carbono nas viagens

Por: Redação | Data: 09/06/2021 10:33:00

Barco movido à energia solar leva turistas pelo Rio Mimoso, em Bonito (MT)

Durante as 24 horas do dia, emitimos carbono na atmosfera e contribuimos para as mudanças climáticas e suas consequências. O aquecimento global é debatido pelos fóruns internacionais, governos responsáveis, empresas e organizações não-governamentais. Alguns dos seus impactos mais imediatos e conhecidos são os incêndios florestais, as tempestades, as secas e o aumento do nível do mar.

As viagens, principalmente o transporte de avião, também são responsáveis pelo alto volume das emissões de dióxido de Carbono na atmosfera, contribuindo para o aquecimento global. Por isso, no mundo todo, o setor de turismo vem discutindo, há algum tempo, soluções para reduzir e compensar a pegada de carbono em todas as suas áreas – da hospedagem, à aviação.

No Brasil, o setor turístico ainda não debate seriamente esse problema. A enorme diversidade ambiental e as dimensões continentais do país justificam, equivocadamente, essa zona de conforto em que se encontra, majoritariamente, o trade e o governo. O país e o turismo possuem outras urgências, é verdade. Mas tudo está conectado. 

O turismo é responsável por cerca de 8% das emissões mundiais de gases de efeito estufa. De acordo com a organização Sustainable Travel International, as emissões do turismo podem vir de voos, outros transportes, hospedagens, desperdício de alimentos, geração de lixo, importações de itens diversos e destruição de reservas de carbono, entre outros. “Um voo de ida de São Francisco para Paris pode produzir pouco mais de 1,25 toneladas métricas de emissões de carbono por passageiro. Isso é mais de um quarto da quantidade de carbono que uma pessoa produz em média em todo o ano”, diz o site da organização. Empresários, profissionais do setor ou viajantes e gestores precisam, mais do que nunca, entender o tamanho da nossa pegada ecológica e tomar medidas para reduzir e compensar os impactos. É justo pensar na qualidade do turismo para as futuras gerações.

Algumas pesquisas de mercado já indicam que o turismo no pós-pandemia deverá refletir nas escolhas mais conscientes e responsáveis dos turistas na hora de reservar um hotel, se alimentar, escolher uma agência de viagens, utilizar um transporte. A preocupação com a saúde individual está intimamente ligada à saúde do Planeta. 

Nos últimos anos, surgiram novos projetos, plataformas e aplicativos de compensação de carbono. Os projetos vem se tornando mais eficientes, e muitos deles têm se direcionado especialmente para o turismo.

Em 2020, o Tomorrow’s Air se tornou o primeiro coletivo de remoção de carbono do mundo para viagens, incubado pela Adventure Travel Trade Association (ATTA). A grande particularidade da iniciativa é que, ao invés de compensar emissões com plantio de árvores, ela remove ativamente o carbono captando da atmosfera e armazena no solo. No Brasil, o Turismo CO2 Legal já vem atuando há muitos anos no litoral da Bahia e trabalha de forma integrada, com a conscientização da população local, de empresários e de viajantes. Turistas e empreendimentos que compensam suas emissões investem diretamente no apoio a produtores familiares, que assumem um compromisso com a conservação do destino.

 

6 programas e sites para compensar o carbono das viagens

Ao escolher o esquema ou programa de compensação de carbono que vamos utilizar é importante nos certificarmos da seriedade e impactos já gerados pela iniciativa, além de confirmar que os créditos vendidos são sempre controlados e ‘aposentados’, não gerando duplicidade. Além disso, Paloma Zapata, da STI, recomenda que se dê preferência a programas que vão além do plantio de árvores e propõem também o envolvimento e benefícios para a comunidade local e a educação e conscientização sobre mudanças climáticas. Muitas companhias aéreas internacionais já oferecem a oportunidade de compensar emissões na hora da compra da passagem. O site calcula o valor dos créditos e você paga junto com a passagem.

1. Tomorrow’s Air

Como contei acima, o Tomorrow’s Air é um coletivo que reúne viajantes e empresas de turismo em uma missão de aumentar a remoção de carbono da atmosfera. Por meio da educação criativa, o Tomorrow’s Air inspira o setor a apoiar a captura direta e armazenamento permanente de carbono. Viajantes e empresas podem fazer suas compensações assinando um dos planos oferecidos e então passam a fazer parte da comunidade. 

2. Sustainable Travel International

Essa é uma organização fundada em 2002 e dedicada a minimizar os impactos negativos do turismo e maximizar seus benefícios para as pessoas, culturas, natureza e vida selvagem em todo o mundo. Entre suas diversas ações está o trabalho de compensação de carbono. No site você pode calcular a pegada de carbono da viagem de avião a partir da distância percorrida e então comprar os créditos que serão direcionados para diferentes projetos que apoiam a conservação de florestas e biodiversidade, o desenvolvimento de energia limpa e o apoio a comunidades locais.

3. Turismo CO2 Legal

Esse é o primeiro programa brasileiro 100% voltado para a compensação de carbono no turismo. Reconhecido pela UNESCO, em 2011, o Turismo CO2 Legal é uma iniciativa socioambiental que vem sendo executada desde 2009, no litoral sul da Bahia, e foi concebida para trazer soluções, simples e práticas, para enfrentar problemas complexos que ameaçam a sustentabilidade local e do planeta. O programa funciona com um ciclo onde os empresários e viajantes compram os créditos de carbono e os recursos são direcionados a agricultores familiares que vivem em situação de vulnerabilidade social. Os agricultores, por sua vez, assumem um forte compromisso e se transformam em protagonistas da conservação ambiental, evitando e fiscalizando desmatamentos, trabalhando com técnicas agroecológicas e conscientizando o resto da população. Assim o destino fica preservado para que mais turistas voltem!

4Ecopass App

O Ecopass é um aplicativo novo no Brasil e se propõe a ser uma ferramenta prática e confiável para o cálculo e compensação das emissões de gases de efeito estufa do consumo de energia elétrica, deslocamentos terrestres e viagens aéreas. O programa atua com o plantio de árvores de espécies nativas de biomas brasileiros ameaçados, como a Mata Atlântica e a Caatinga, em unidades de conservação georreferenciadas, via parceria com ONGs ambientais que trabalham com comunidades tradicionais. Ao fazer a compensação das emissões de gases de feito estufa das viagens, o usuário também passa a fazer parte da Rede Ecopass e ganha benefícios, como descontos e gratuidades em estabelecimentos parceiros. 

5. Ecollective

“Nossa missão é reduzir a pegada de carbono da indústria de viagens”, diz o site do Ecollective. Opa! Essa não é uma plataforma voltada para a compensação e sim para a redução das emissões de carbono nas empresas. Eles fazem um trabalho direcionado e aprofundado de consultoria com cada empresa, calculam a pegada de carbono e depois trazem soluções práticas para reduzi-la. Para empresas que querem se tornar carbono neutras, esse é o caminho.

6. My Climate

Essa plataforma está baseada na Suíça, mas compensa emissões de CO₂ por meio de mais de 125 projetos de proteção do clima em 37 países diferentes. Tanto indivíduos, quanto grandes, médias e pequenas empresas, administrações públicas, ONGs e organizadores de eventos são convidados a participar. Os projetos trabalham com a substituição de recursos de energia fóssil por energias renováveis e implementação de medidas locais de florestamento com pequenos agricultores e tecnologias de eficiência energética. A iniciativa já é reconhecida e premiada e também propõe o engajamento e educação de estudantes na Suíça e no mundo.

Deixe seu comentário

Comentários